Cuidados que previnem a COVID-19: não basta conhecer, é preciso colocar em prática

Cuidados que previnem a COVID-19: não basta conhecer, é preciso colocar em prática

Após mais de um ano de pandemia, a população já sabe o que fazer para se proteger da COVID-19, mas é sempre bom lembrar a importância de todos continuarem seguindo as medidas preventivas recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mesmo aqueles que já tomaram a vacina.

Como o coronavírus continua sendo transmitido, até pelas pessoas imunizadas, os melhores conselhos para a vida são: usar máscara de boa qualidade, bem ajustada ao rosto; higienizar constantemente as mãos com água e sabão ou álcool 70%; manter o distanciamento social; ventilar os ambientes ao máximo.

 

Atitudes sábias evitam o contágio e salvam vidas

A cada dia de pandemia, aprendemos algo diferente sobre o vírus e a COVID-19. Recentemente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou o protocolo com medidas de proteção contra a COVID-19, enfatizando a contaminação pelo ar.

  • Em ambientes públicos fechados com muitas pessoas, é fundamental o uso de máscaras filtrantes do tipo PFF2 ou N95, bem ajustadas ao rosto. A OMS recomenda ainda que se permaneça pouco tempo nesses locais e que se mantenha sempre o distanciamento das outras pessoas.
  • Em casa ou onde for possível, deve-se manter a ventilação dos ambientes, principalmente se receber visitas ou se alguém da família estiver contaminado com o novo coronavírus. Portas e janelas devem ficar abertas, de preferência com um ventilador virado para fora, funcionando como exaustor.
  • Ao andar de carro com pessoas que não são do seu convívio, é importante manter os vidros abertos. O ideal é dividir o veículo com apenas uma pessoa e sentar-se na posição oposta dela: uma pessoa ao volante e a outra no banco de trás, no lado do passageiro.

Saber como o coronavírus se espalha é vital

  • O vírus pode se espalhar pela boca ou nariz de uma pessoa infectada em pequenas partículas ao tossir, espirrar, falar, cantar ou respirar.
  • A evidência atual sugere que o vírus se espalha, principalmente, entre pessoas que estão em contato próximo umas com as outras, normalmente dentro de um metro.
  • Uma pessoa pode ser infectada quando gotículas contendo o vírus são inaladas ou entram em contato direto com os olhos, nariz ou boca.
  • O vírus também pode se espalhar em ambientes internos mal ventilados e/ou lotados, onde as pessoas tendem a passar mais tempo.

 

Fonte: Organização Mundial de Saúde (OMS).